Arquitetura

Casa escultórica de Steven Holl é autossuficiente em energia


grande-esfera

Foto: Paul Warchol

“Um edifício deve oferecer mais quando você entra nele do que quando você o vê de fora. ” A frase, do arquiteto norte-americano Steven Holl, se aplica a uma de suas obras mais recentes, a casa de hóspedes criada para um artista plástico em Rhinebeck, Nova York, nos Estados Unidos. Batizada de “Ex of In House”, a construção multifacetada surpreende com o seu escultural interior de madeira que parece ter sido talhado, revelando vazios com formas geométricas espaciais como esferas, paralelepípedos e prismas.

ex-of-in-house-steven-holl-residential-architecture-rhinebeck-usa_dezeen_sq-b-1704x1704

Foto: Paul Warchol

Criada para cinco hóspedes, mas sem nenhum quarto, a casa de 85m2 é autossuficiente em energia elétrica, que é parcialmente gerada por um filme fotovoltaico aplicado na cobertura. O restante é produzido por um sistema de aproveitamento da energia geotérmica (obtida pelo calor proveniente do solo).

16-042-004a

Foto: Paul Warchol

Graças ao projeto, foi preservada uma grande área florestal que seria dividida em 5 lotes para a construção de casas. “Esta casa, com seus vazios internos e compressões, serve como alternativa às casas modernistas de subúrbio que se espalham pela paisagem”, explica Holl.

16-042-020a

Foto: Paul Warchol

O nome “Ex of In House” decorre do projeto de pesquisa do qual a casa faz parte: “Explorations of In”. Iniciado em 2014 pelo escritório de Holl, o trabalho tem o objetivo de explorar e questionar os clichês da linguagem arquitetônica e da prática comercial.

exofin_wc_1

Na “Ex of In House”, o hall de acesso de madeira, marcado pelo vazio em forma de esfera, é banhado pela luz natural que penetra o espaço pelas aberturas semicirculares que, aliás, são recorrentes na casa. Uma claraboia de mesma forma deixa a iluminação natural entrar e percorrer os três níveis que compõem a construção.

16-042-007a

Foto: Paul Warchol

O tratamento que a materialidade atípica da casa dá à luz foi previsto por meio de maquetes físicas e aquarelas, que costumam servir como ferramentas de projeto para o arquiteto ao criar suas obras, onde ele costuma esculpir vazios geométricos conhecidos como “vazios booleanos”, que caracterizam seu trabalho.

grande-esfera

Foto: Paul Warchol

16-042-015a

Foto: Paul Warchol

Esses vazios estão presentes em projetos como, por exemplo, a nova extensão do Museu da cidade de Mumbai, um dos mais antigos da Índia. Para projetá-lo, seu escritório teve de vencer um concurso onde participaram nomes de peso como Rem Koolhaas e Zaha Hadid.

16-042-017a

Foto: Paul Warchol

Atrás da escada central fica a cozinha e a sala de jantar, que se abrem para um pátio com piscina. A casa é integrada ao entorno por meio de grandes aberturas como o grande vão circular se estende por três planos (duas paredes e o piso), provocando no usuário a sensação de estar imerso na floresta.

Ficha técnica:
Ex of In House
Rhinebeck (NY), EUA
Ano de projeto: 2014
Ano de construção: 2016
Arquitetura: Steven Holl Architects

vladimir

Foto: Vladimir Paperny

Steven Holl
Steven Holl nasceu em Bremerton, Washington (EUA), em 1947. Formou-se em arquitetura pela Universidade de Washington e fez pós-graduação na Architectural Associacion de Londres (AA). Fundou o próprio escritório, Steven Holl Architects, em Nova York, em 1976. É vencedor de prêmios como o Praemium Imperiale (2014), o Premio de Arquitetura Cooper Hewitt (2002) e a Medalla Alvar Aalto (1998). Dentre suas obras, destacam-se a Texas Sterro House (EUA), o Museu de Arte Contemporânea de Helsinki (Finlândia), o complexo residencial Makuhari (Japão), o Museu do Oceano de Biarritz (França) e o Museu de Arte Nelson-Atkins (EUA) e a ampliação da Biblioteca Americana em Berlim (Alemanha).

 

 

 

 

Arquitetura
Térrea e recortada, Casa Inverso se transforma com a luz
Arquitetura
Esquadrias recicladas e cobertura fotovoltaica marcam a sede da UE
Arquitetura
Envoltória cerâmica atua como fachada, pérgola e cobogó