Arquitetura

ECB-SP é a 1a edificação brasileira a receber o Leed-NC Platinum


Foto: Leonardo Finotti

Foto: Leonardo Finotti
Com estrutura metálica, coberturas e fachadas de policarbonato, o pavilhão flutua a 50cm do solo

Projetado pelos arquitetos Roberto Loeb e Luis Capote, sócios do LoebCapote Arquitetura e Urbanismo, o EcoCommercial Building (ECB) Cosvestro é um pavilhão translúcido que “flutua” a 50cm do solo, próximo à Marginal Pinheiros, no bairro do Socorro, em São Paulo. Inundado pela luz natural que penetra as fachadas diáfanas de policarbonato, o edifício, inaugurado em fevereiro de 2014, ganhou destaque na mídia especializada por incorporar tecnologias sustentáveis que o levaram a ser o primeiro edifício brasileiro certificado com Leed-NC Platinum, nível máximo da certificação sustentável realizada pelo Green Building Council (GBC).

espelho_nova

Foto: Leonardo Finotti
Drenante e suspenso, o piso em deck de madeira possibilita a absorção da água da chuva pelo solo

A eficiência energética e o conforto térmico são favorecidos por estratégias passivas de conforto ambiental, como as aberturas generosas que garantem a ventilação cruzada e o isolamento térmico de tetos e paredes com poliuretano.  As fachadas são feitas com placas translúcidas de policarbonato que deixam a luz entrar, mas barram até 50% a entrada de calor com as suas células de ar. Os ganhos de calor também são reduzidos com o sombreamento proporcionado pelas árvores que foram integralmente mantidas e incorporadas pelo projeto de arquitetura.

Foto: Pedro Kok

Foto: Pedro Kok
ncorporadas pelo projeto, as árvores do terreno sombreiam a construção. Outra estratégia passiva que garante o conforto dos usuários é o forro de OSB sob a cobertura translúcida e o poliuretano

Erguido com tecnologias baseadas em matérias-primas produzidas pela Covestro, a antiga Bayer MaterialScience, o ECB usa energia elétrica produzida pelas placas fotovoltaicas instaladas na cobertura do prédio vizinho, onde fica o refeitório (já que o pavilhão é sombreado pelas copas das árvores). A água pluvial captada pela cobertura é usada na irrigação e descarga de bacias sanitárias do pavilhão, onde o índice de reuso de água é de 95%. Parte do sistema de captação e tratamento da água da chuva, o espelho d’água embeleza e promove o conforto higrotérmico do ECB.

espelho reduziiido

Foto: Leonardo Finotti
espelho d’água que armazena água de chuva mantém a umidade e a temperatura agradáveis, reduzindo o uso do ar-condicionado

O consumo da água potável e de reuso é medido pelo sistema de automação, que também monitora, em tempo real, o consumo de energia elétrica do pavilhão. O sistema de automação também é responsável por regular a intensidade das lâmpadas de acordo com a incidência de luz solar. O mesmo acontece nas salas climatizadas, onde a quantidade de calor e frio, controlada pela automação, varia em função do clima e do número de pessoas nas salas.

Foto: Leonardo Finotti

Foto: Leonardo Finotti
O pavilhão é sombreado pela vegetação e permeados por jardins que contribuem para o conforto térmico. O ar-condicionado é usado somente nas salas de reunião, ou seja, em 5% dos espaços

 

ecb

Corte esquemático

 

Foto: Leonardo Finotti

Foto: Leonardo Finotti

 

Foto: Leonardo Finotti

Foto: Leonardo Finotti

Arquitetura
Ventilada e permeável, fachada da Tower at PNC Plaza capta ar fresco
Arquitetura
Brises de madeira protegem Casa no Cerrado da radiação solar direta
Arquitetura
Casa pré-fabricada de papelão pode ser montada em um dia
There are currently no comments.