Arquitetura

WOHA usa exoesqueleto para criar torre “viva” em Cingapura


Foto: Patrick Bingham

Uma torre de tons avermelhados, permeada pelo verde de trepadeiras, se destaca em meio aos edifícios escritórios convencionais no centro financeiro de Cingapura. A aparência incomum do arranha-céu, batizado de Oasia Hotel Downtown, resulta de seu exoesqueleto de alumínio vermelho perfurado, solução que atua de várias formas para melhorar o desempenho térmico e a eficiência energética do edifício de 190m de altura. O projeto de arquitetura é do WOHA, escritório baseado em Cingapura, liderado pelos arquitetos Wong Mun Summ e Richard Hassell.

Foto: K. Kopter

Ao sombrear as fachadas, o exoesqueleto funciona como um brise, evitando o ganho térmico ocasionado pela radiação solar. Perfurado, o elemento não bloqueia a passagem de luz natural e da brisa, que resfria os pavimentos ao cruzá-los. Mas, o elemento foi criado, principalmente, para servir de suporte para 21 espécies de trepadeiras que florescem e servem de refúgio para pássaros e insetos em meio à uma cidade sem espaço para a fauna e flora.

Foto: K. Kopter

As trepadeiras atuam como isolante térmico. Tendem a se expandir pelas fachadas com o passar do tempo, intensificando a paleta em tons de verde que contrasta com as cinco tonalidades do vermelho do exoesqueleto.

Foto: Patrick Bingham

O exoesqueleto se desprende do edifício na parte superior para configurar o coroamento curvo de 42.9m de altura que se sobressai no conjunto. Vazadas, as arestas do coroamento revelam a estrutura treliçada que sustenta o exoesqueleto.

Foto: K. Kopter

Ao invés de um núcleo estrutural central (core), a torre projetada pelo WOHA possui 4 “cores” estruturais nas quinas do edifício para liberar a porção central da planta baixa para os vazios colossais, quatro terraços em escala urbana com jardins tropicais exuberantes e espaços de lazer, os grandes destaques do volume arquitetônico.

Foto: K. Kopter

Localizados no 6º, 12º, 21º e 27º andares, os terraços transmitem ao usuário a sensação de se estar no térreo com suas árvores, piscinas, gramados e coberturas em pergolado.

Foto: K. Kopter

Com seu exoesqueleto ajardinado e terraços urbanos, o Oasia Hotel Downtown rompe com a linguagem arquitetônica típica dos edifícios comerciais envidraçados e herméticos que predomina nas grandes cidades. E, mais importante do que isso, estabelece um modelo funcional de torre em relação ao desempenho térmico e eficiência energética da construção.

Arquitetura
Potes de sorvete vedam fachadas de biblioteca na Indonésia
Arquitetura
Modulabi privilegia conceitos da arquitetura bioclimática
Arquitetura
Térrea e recortada, Casa Inverso se transforma com a luz
  • Patricia

    Nossa! Muito legal!
    E extremamente funcional!